Stop

Essências Proteas Como e porquê as Proteas Essências Proteas Produção no Sudoeste Alentejano

Essências Proteas

Essências Proteas

Em Setembro de 2010 eu e a terapeuta floral Patricia Rainho tivemos a bênção de ser convidadas para visitarmos a Herdade do Cabo Sardão no Sudoeste Alentejano, onde a Europrotea Sociedade Agrícola Lda desenvolve a sua produção de Proteaceae.

Eu já tinha trabalhado com essências florais de Proteas de outros elaboradores (South African Flower Essences e Hummingbird Flower Essences) cujos resultados me interessaram particularmente, quando ingeridas por pessoas que delas necessitavam.
Na medida em que estas flores, das mais antigas no nosso planeta, tem acompanhado a humanidade desde os seus primórdios e guardam toda uma informação na sua genética capaz de reconhecer os nossos estados de alma ancestrais, a oportunidade de me voltar a chegar a elas e conhecer uma plantação com diversas variedades aliciou-me profundamente; desafiei então a Patricia para levarmos algum material adequado à preparação de essências-mãe e preparámo-nos interiormente para passar uma tarde especial.

A pujança, exuberância e robustez das suas flores tinham “mexido comigo” desde que me conheço por gente - ainda na minha Mãe África – e dentro de mim elas faziam, sem dúvidas parte do mundo por descobrir.
Estávamos nessa época a iniciar uma pesquisa que continua a ser investigada, no sentido do aprofundamento da sintonia cardíaca com a flor a ser trabalhada na preparação de essências florais.

Essa abordagem vem sendo feita por alguns investigadores, sendo Stephen Harold Buhner e Annie Marquier (http://www.youtube.com/watch? feature=player_embedded&v=ItsqK5ACB1I) 2 autores já com diversos livros publicados, cujo tema é a inteligência do coração e que tem sido verdadeiros faróis num campo pouco explorado e cujas directrizes tem por base a metodologia do Mestre Edward Bach.
Para além deles, foram extensamente estudadas por outros investigadores (em laboratório e em natura) a sensibilidade do mundo vegetal à dor e a outras perturbações do seu meio ambiente, pelo que não me alongo nessas explicações.

Há 2 intenções primordiais nesta nossa abordagem especificamente dirigida à elaboração de essências florais:

  • Não cortar a flor da planta que a sustenta para a preparação da essência, evitando com isso o mergulho da sua energia na dor física gerada pelo corte, deixando assim de desperdiçar uma boa parte do seu `chi’ e consequentemente da sua potencialidade curativa mantendo-as intactas durante a preparação da essência;
  • “Ouvir” o que a flor tem a dizer de si mesma, através de sintonia intuitiva amorosa e totalmente receptiva, em estado meditativo.
    Com isto a essência mãe fica pronta mais rapidamente (geralmente em 1 ou 2 horas) e de acordo com a nossa experiencia, mantem uma tónica de “doação” dificilmente alcançada em essências preparadas com flores cortadas da planta original.

Totalmente deslumbradas com a beleza e variedade de Proteaceae e Grevilleae disponíveis, e sem termos antecipadamente sabido do que iriamos encontrar, optámos por preparar 2 essências que já conhecíamos de outros preparadores (King Protea e Pink Ice) e ainda “sentir” o chamado de alguma outra flor. Foi assim que a Patricia “trouxe à vida floral” a essência da Protea Susara, enquanto eu sintonizei um Leucospermum, a maravilhosa essência de Pink Sherbet .

Como curiosidade, nesse mesmo dia ainda trabalhei a sintonização de um Leucadendron Argentum (Silverleaf) enquanto a Patricia se debruçava sobre o Leucadendron ”safari Sunset”, mas houve alguma perturbação energética com visitantes inesperados e essas essências não chegaram a formar-se, a energia não teve oportunidade de ancorar adequadamente.

Tenho ainda a esperança de nalgum outro Setembro o poder vir a fazer, dado que a sazonalidade não nos permite ter todas as flores durante todo o ano… mesmo porque se assim não fosse e pudéssemos escolher … não seria só em Maio e teríamos rosas o ano inteiro nos nossos jardins!;)
É claro que a vontade de lá voltar não esmoreceu e em Maio de 2011 deu-se uma curiosa oportunidade de o fazer: tinha acabado de dar um curso sobre as essências Terra Luz.a a um grupo de entusiastas terapeutas que me desafiaram a voltarmos à Herdade do Sardão para viverem “in loco” e na própria pele o processo, com toda a infusão de alegria que este nos provoca e que eu tanto enalteci durante o curso…

Com a força que assiste tudo aquilo que “tem de ser” nenhum contratempo ou dificuldade se opôs a essa “excursão” e, pelo contrário, a gentileza da Europrotea foi ao ponto de nos disponibilizarem o galpão de preparação e embalagem das flores para o nosso trabalho.
Tivemos a oportunidade de comunicar antes com o encarregado que gentilmente nos informou das flores “de serviço” ;)

Fomos buscar água de nascente a Sintra;
Distribuímos a cada pessoa uma imagem da “sua” flor, com a recomendação de olhar para ela, senti-la, pesquisar sobre ela, integrá-la em suma, antes da data definida para a experiencia.
Partimos cedo de Lisboa e vivemos um dia maravilhoso de descoberta. A todas as “aprendizes” envolvidas a minha ternura: aqui está o resultado, com algumas fotos do evento! :)

Termino deixando a nossa profunda gratidão à Europrotea e aos seus administradores que nos proporcionaram tão generosamente estas oportunidades únicas!
Em Alegria,
Eveline