Stop

Essências Artémis

Essências Artémis

Olá ou as maravilhosas noticias...!:)

Pois cá estou eu a contar o que de novo se passa aqui no Seressencial...!

Então a mais importante de todas as notícias são os fantásticos resultados dos cursos Nível I / Básico e Nível II / Avançado de 2017.

É verdade, não só saíram desta “fornada” abundante, 2 novas formadoras Terra Luz.A, sendo elas a Paula Bartolomeu e a Susana Nogueira (para minha tão grande alegria!)...

Como, por outro lado, plenas de um entusiasmo vibrante, as alunas desta formação abriram a alma para a suas qualidades de sintonizadoras e “desataram” a sintonizar essências!

E fizeram-no (e fazem!) tão bem, que o Seressencial não podia aliar-se de tal veia inspiradora e optámos por criar uma nova linha, as Essências Artémis, em homenagem à Deusa Clássica, às Deusas que nos habitam e à Artemísia, nossa planta-espírito guia.

É uma linha aberta, com início bem definido nas sintonias de grupo feitas durante o curso e pronta a receber novas leituras, novas essências, novos encontros de alma gente com alma flor.

Ahoo, minhas companheiras!

É claro que as Essências Artémis estão em experimentação, contamos tod@s com relatórios e apontamentos vários em torno delas, porque só o tempo, o uso e a experiencia de tod@s, terapeutas e utilizadores, nos confirmará atuações e atualizações... mas não há o que me impeça de sentir mel e pólen a escorrer-me do coração pela oportunidade de viver esta vossa parceria com a Natureza-Mãe de todos, o vosso empenho em seguir esta via que nos conduz e transcende, a simplicidade compassiva com que este caminho de alegria e puro amor vos trouxe até aqui.

Por isso, antes de tudo o mais, os meus parabéns às terapeutas florais que se empenharam em seguir o caminho das flores por dentro, quando elas chamam por fora… louvo a Luz do belo Ser que vos anima a alma e vos faz partir nesta aventura de ouvir as plantas dizerem de si, essa mesma aventura em que embarquei há 30 anos atrás e que me trouxe em emaravilhamento até aqui, até vocês, queridas “árvores com pernas”, como me chamou a Amoreira...

Eveline