Stop

Essências Florais Bach Cactus Fes Cogumelos Bush Australiano Orquídeas: Amazónicas Dancing Light Europeias Living Tree

Essências Bach

O sistema Bach tem 38 essências e mais um composto de emergência, o Rescue Remedy, que perfazem 39 estados arquetípicos de cura, resultantes do conflito entre o Eu Superior e a Personalidade.
Essas essências foram divididas em 7 grupos distintos, depois de observadas as personalidades humanas e a forma como cada uma delas reage perante a doença, assim como os conflitos fundamentais que nos impedem de sermos verdadeiros para connosco mesmo.

Essências Bach


Dr. Edward Bach - 1886-1936

O Dr. Edward Bach - pronuncie-se Batch - nasceu em 24 de Setembro de 1886, em Moseley, um vilarejo perto de Birmingham, Inglaterra.

Com 17 anos alistou-se no Corpo de Cavalaria de Worcestershire, onde teve a oportunidade de vivenciar o seu amor pelos animais e passar mais tempo em contacto com a natureza. Já nessa época acreditava que teria de haver cura para muitas doenças ainda consideradas  incuráveis.

Com 20 anos entrou para a Universidade de Birmingham. Finalizou os seus estudos e o estágio no "University College Hospital" em Londres, em 1912. Além do diploma de formatura, recebeu também os títulos de Imunologista, Bacteriologista e Patologista, e o diploma de Saúde Pública, em 1914.

Devido à sua saúde frágil, não foi aceite para o exército e contudo, ficou responsável por 400 leitos no "University College Hospital", ainda a trabalhar  no Departamento de Bacteriologia e como Assistente Clínico do Hospital da Escola de Medicina (período de 1915 a 1919). Trabalhou incansavelmente, apesar da sua saúde estar em franca deterioração, ao ponto de sofrer uma grande hemorragia em Julho de 1917. Submetido a uma cirurgia de urgência, foram-lhe diagnosticados três meses de vida.
Logo que melhorou um pouco, decidiu dedicar-se à pesquisa laboratorial intensivamente, mantendo-se permanentemente ocupado com aquilo que considerava o objetivo da sua vida: recuperou totalmente em pouco tempo.

Foi-se tornando cada vez mais conhecido devido às suas descobertas e constantes pesquisas no campo bacteriológico, para o"University College Hospital", e "London Homeopathic Hospital", onde permaneceu até 1922.

Aqui, no "London Homeopathic Hospital", conheceu a homeopatia e o livro básico de Hahnemann, o "Organon da Arte de Curar", escrito mais de cem anos antes do seu tempo. Em 1926, publica com C.E. Wheeler o "Cronic Disease: A Working Hypothesis". Nesta época, os seus remédios para o sistema digestivo já são conhecidos como Nosódios de Bach, utilizados em toda a Grã-Bretanha e também em vários outros países.

Bach decide começar a substituir os nosódios por medicamentos preparados com plantas, e baseado no sistema homeopático de diluição e potencialização; para isso, utiliza 2 flores que trouxe de Gales, em 1928: Nascem as 2 primeiras essências florais: Impatiens e Mimulus. Logo depois sintetiza Clematis. Os resultados mostram-se encorajadores.

Em 1930, decide abandonar a actividade em Londres, o consultório da Harley Street e os laboratórios, para buscar na natureza aquele sistema de cura que sentia vivo dentro de si, idealizado desde a infância. Com 44 anos, parte para Gales, abandonando fama, conforto, status e uma posição de destaque na sociedade médica londrina. Antes de partir, destruiu tudo o que já tinha escrito até então talvez para começar a trabalhar, do princípio, naquilo em que acreditava.

O Dr. John Clark, diretor do Homeopathic World, um periódico médico homeopático, colocou o seu jornal à disposição de Bach, para que fosse publicando as suas descobertas, oportunidade bem aproveitada por Edward Bach. No Outono de 1935, sintetiza Mustard, o último dos 38 florais.

Morreu enquanto dormia, em 27 de Novembro de 1936 (de paragem cardíaca com 50 anos de idade) na sua casa em Monte Vernon, Grã Bretanha, onde hoje funciona o Bach Centre e onde são colhidas as flores e preparadas as essências.

Para o Dr. Bach, a atitude mental tem um papel vital na manutenção da saúde e na recuperação das doenças. Por isso os Florais tratam o doente e não a doença, pois atuam como catalisadores, trabalhando com as emoções negativas sem as suprimir ou esconder. Com as suas essências, procurou estimular  o potencial da virtude contrária: a auto cura através das propriedades curativas das flores.

O material constante desta informação tem a colaboração dos seguintes sites: